quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Entrega-te a Deus

Título: Entrega-te a Deus

Autores: Divaldo Franco; Joanna de Ângelis (espírito)

Editora: InterVidas

Categoria: orientação

Edição: primeira (novembro de 2010)

Proposta:
Apresentação do panorama social e espiritual nos dias de hoje; aconselhamentos gerais com base na valorização da moral cristã.

Formato:
Tamanho um pouco maior do que o normal com pouco mais de 200 páginas para serem lidas em aproximadamente quatro horas. É dividido em 30 pequenos capítulos; e possui uma apresentação no início e um glossário no final. As palavras mais incomuns e seus significados são colocados nas bordas laterais das páginas ao longo do livro.

O projeto gráfico é muito bonito com boa combinação de cores e predominância de tons azuis. A cada capítulo relembra a imagem de um balão subindo num céu azul e coloca em destaque um trecho significativo do capítulo.

Linguagem:
Assim como outros livros destes autores a linguagem é empolada com abuso de palavras incomuns aos leitores. O glossário que os editores colocaram nas bordas laterais ajuda bastante a leitura, mas ainda assim fica comprometida.

Por outro lado, cumpre destacar o uso correto da língua portuguesa que revela a atenção dos autores e dos revisores da obra.

Avaliação:
O livro vale pela edição primorosa que revela um cuidado todo especial com o projeto gráfico. Destacam-se a combinação suave de cores, a boa disposição dos significados das palavras, os destaques dos trechos mais significativos. Não há uma vírgula sequer fora do lugar.

A proposta deste livro está dentro do que há de mais comum no mercado editorial espírita que é a orientação sobre os mais variados temas. Embora extremamente válida e necessária, infelizmente esta orientação está muito genérica e parece não ter a capacidade de envolver o leitor fazendo-o refletir seriamente.

Há um esforço dos autores em apresentar um panorama da realidade social nos dias atuais contrapondo o avanço intelectual e tecnológico com a decadência moral. Não há nada a objetar do que disseram, mas a insistência e a repetição desta apresentação acabam por entediar o leitor. Aliás, gasta-se muita linha nisso... talvez uns 70% do livro.

Parece incompreensível que os autores continuem insistindo em usar uma linguagem muito distante do dia a dia dos leitores com palavras tão incomuns a ponto de ser necessário colocar o significado ao lado. Esta linguagem é também pouco objetiva e não segue uma linha clara de argumentação. Os textos se assemelham a um conjunto intercalado de mensagens avulsas.

Pela bagagem intelectual e espiritual dos autores esperava-se um conteúdo bem mais profundo e mais sofisticado do que o apresentado neste livro. A repetição pela repetição apenas levará à banalização do livro espírita. A competição com as informações provindas das mais diversas mídias não deve se dar pela quantidade, mas pela qualidade.

Discussão:
Seguem abaixo algumas passagens interessantes:

Página 32 do capítulo Entusiasmo:
Ameaças de contínuos desastres sísmicos, sociais e psicológicos, decorrentes da falência dos valores morais aceitos e aplicados na conduta humana, são apresentadas por especialistas que igualmente acompanham o aquecimento global, que se responsabilizará por transtornos colossais, sem que sejam encontrados os recursos hábeis para impedi-los...

Páginas 50 e 54 do capítulo Mediunidade responsável:
A partir da informação incorreta, passou-se a temer o desenvolvimento mediúnico por associá-lo às terríveis aflições que acarretaria. (pág 50)
Quanto mais sejam as aflições, mais compensadores serão os resultados da tua dedicação ao ministério mediúnico.
Não te queixes, portanto, quando convidado aos caminhos silenciosos da renúncia e do sofrimento de que necessitas para reabilitar-se. (pag 54)

Página 128 do capítulo O incrível poder do amor:
É o amor que proporciona a força de aglutinação das moléculas no mundo microscópico, assim como dos astros no macro, como energia de atração e de repulsão, conforme ocorre entre os seres animados, em forma de afinidade ou de reação.

Página 165 do capítulo Deus sempre:
Prefere ser filho do estúpido acaso onde se teria iniciado e se consumirá, a proceder da Divina Progenitura.

21 comentários:

  1. Muito boas as suas considerações Vital. Infelizmente, não sei se em virtude do visível crescimento do interesse por livros espíritas, podemos observar uma enxurrada de livros todos os anos. Há autores que não podem ficar sem publicar ao menos um livro por ano, o que nos leva a estranhar esta fecundidade, principalmente quando o conteúdo começa a sofrer com esta prolixidade. Uso o termo prolixo pelo simples fato de haver uma repetição exaustiva de temas, sem que quase nada de novo seja agregado, e, muitas vezes, como você assinalou, não se consegue sair do superficial, não se consegue aprofundar o assunto trazendo novas reflexões e, o mais importante, reflexões verdadeiramente profundas. É importante este tipo de análise e avaliação dos livros Espíritas para podermos observar até onde vai o verdadeiro interesse em instruir e o interesse em ser apenas comerciável, principalmente quando gastamos páginas e mais páginas com uma linguagem que não atende ao objetivo do livro: temas do dia a dia pedem uma linguagem próxima deste dia a dia. Não precisa ser uma linguagem chula, entretanto, não estamos em um campeonato erudito. Se queremos atingir o grande público devemos saber dosar a simplicidade no vocabulário com a profundidade digna dos grandes espíritos. É como diria Kardec: eles [os espíritos superiores] sabem dizer muito em poucas palavras. Parabéns por este blog!!!

    ResponderExcluir
  2. Que legal, Anderson!

    Bom saber que você compartilha das minhas preocupações em relação ao livro espírita. Acredito que a sua valorização depende das críticas construtivas.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  3. Legal pessoal, gostei muito do comentário de vocês, e apesar de ficar com o pé meio atrás por conta do comentário de vocês a respeito do vocabulário, fiquei com vontade de ler o livro.
    To procurando o livro aqui pra comprar na net e achei com o preço mais barato na Vitrine Espírita http://wwww.vitrineespirita.com.br. Alguém conhece? Sabe me dizer se é confiável?
    O trabalho feito nesse blog é muito bom!
    Abraços

    ResponderExcluir
  4. Olá, Marcelo!

    Obrigado pelo elogio! Olha... eu nunca ouvi falar deste vitrineespirita (aliás, por algum motivo não consegui entrar no site).

    Na Candeia parece que está com um bom preço... veja aqui:

    http://www.candeia.com/produto.asp?section=1&id=17000

    Abraço!

    ResponderExcluir
  5. As obras de Joana de Ângelis sobretudo na série psicológica nos trazem reflexões amplas e profundas acerca do sentido existencial do ser humano.
    Dentro da ótica Espírita torna-se bastante compreensível, devido a leitura das obras básicas da codificação,onde as obras complementares encontram ressonância nos conceitos ali apresentados. Particularmente muito me apraz ler as obras da referida autora.

    ResponderExcluir
  6. De fato, os autores espíritas não te trarão respostas prontas para todas as questões que afligem teu dia-a-dia, mas te darão o norte para que, tu mesmo, no exercício do teu livre-arbítrio, opte pelo melhor. É impossível compreender, adequadamente, o propósito de espíritos magníficos como Joanna de Ângelis sem antes tomar contato com a essência da doutrina espírita.

    Um abraço fraterno.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Magnífica suas respostas anônimo, perfeitamente compressível o diálogo da escrita da venerada autora espiritual.
      Todos que queirao uma linguagem mais mastigada e fácil não está apito a uma transformação interior verdadeira

      Excluir
  7. Obrigado pelos comentários, pessoal!

    Fiquem a vontade para comentar.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  8. Olá, Vital!!!
    Achei seu blog qnd pesquisei sobre a Joanna de Ângelis.

    Meu caro irmão, vejo que você semplesmente leu o(s) texto(s),
    não se deu o trabalho de se aprofundar.

    Você leu sem compreender, sem se aprofundar...

    Se você recebe um presente e apenas desembrulha, sem verificar seu conteúdo, tentando analisar seu uso...
    Realmente, ele fica inútil, cai na mesmice de outros objetos...

    "infelizmente esta orientação está muito genérica e parece não ter a capacidade de envolver o leitor fazendo-o refletir seriamente."

    Em que parte de QUALQUER livro dela você teve essa dificuldade??? Se você não quer compreender, não quer aceitar as reflexões, realmente, nada de profundo você vai encontrar...

    ResponderExcluir
  9. A questão não está na escrita, mas na leitura...

    Como modifiquei o meu EU com as leituras da Joanna de Ângelis!!!
    Além de psicóloga ela tem um fundamento cristão, que união fabulosa, não???

    Ela me incentivou a fazer um autoconhecimento, a abandonar o atavismo (herança de mim mesmo, lembrança das reminiscências do passado de erros).

    E você diz que ela não é capaz de entreter o leitor???
    Que não refletir seriamente???

    Poxa... Se isso não é refletir, me diz então o que ela me propos... Eu estou indo fundo ao meu eu, fazendo uma reforma íntima > diminuindo meus defeitos e valorizando minhas qualidades.

    Acho que você deve refletir no que escreveu, ou (re)ler o livro.

    Fraternalmente,
    Aili

    ResponderExcluir
  10. Olá, Aili!

    Muito obrigado, mesmo, pelos seus comentários. Fico feliz por sua transformação pessoal a partir das leituras de Joanna de Ângelis.

    Você poderia apresentar algum trecho deste livro, Entrega-te a Deus, que te fez refletir seriamente?

    Abraço!

    ResponderExcluir
  11. a leitura das obras publicadas sã credíveis e atrás delas figuram seres humanos cmo Divaldo Franco que é extraordinário.Posso dar o meu testemunho de lides espíritas, no continente africano, europeu e american.Não há coincidências, através de joana de angelis, divaldo propagou passo a passo a doutrina e a luz ilumina a espiritualidade de muitos nestes continentes. Muito mais há para publicar, o trabalho é grande, a obra está completa, porém faltam trabalhadores nesta SEARA.
    Obrigada a todos que lerem.

    ResponderExcluir
  12. Olá vital! foi o primeiro livro que li de Joana de Ângelis leio mais os de Emanuel! Amei o livro! poderia responder a questão proposta a companheira Aili! com o cap 29 titulado "o tormento do egoísmo." Releia com o coração irmão!

    ResponderExcluir
  13. Olá, Estevão! Obrigado pelos comentários e pela sugestão. De verdade. Normalmente eu costumo passar meus livros pra frente. Esse específicamente eu dei para uma senhora que vive em um asilo. Assim, não tenho mais acesso ao livro. Se aparecer uma oportunidade de reler o livro eu o farei. Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá querido irmão Vital, acho que você meu querido, não esta proposto a uma mudança interior profunda ou esta com muito medo de se adaptar a uma real auto análise dos ideais e modificar o seu ser espiritual que somos.Tenhamos certeza de que os bons espírits sabem das nossos reais necessidades, e prioridades então se aprofunde mais não na forma das escritas mais sim no conteúdo das mensagens.
      muita paz e amor nos nossos corações, desde já muito obrigado do amigo e irmao
      Neriton

      Excluir
    2. Olá, Neriton! Se um livro é bem escrito então a leitura fica facilitada. Se a intenção dos bons espíritos é de que a mensagem chegue ao maior número de pessoas então eles se esforçarão para escrever bem. O próprio Kardec, fundador do espiritismo, já dizia isto. Abraço!

      Excluir
  14. olha sinceramente gosto do divaldo, principalmente das palestras, mas os livros nao consigo ler!! pra que o uso de palavras tao dificeis? fica chato a todo momento recorrer ao dicionário!! qual o objetivo disto? deveria o usar o comun pq afinal de contas o objetivo num é divulgar e ajudar!? entao pronto chega de tantas palavras que ninguem usa!!

    ResponderExcluir
  15. Pois é, Marcelo. O uso de palavras incomuns e até mesmo exóticas só faz sentido para demonstrar que o autor tem um vasto vocabulário. Mas, perde na clareza e compreensão do texto. Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amai-vos e instruivos, quando vejo pessoas que criticam vocabulários difíceis e que tem que recorrer ao uso do dicionário para entender, só posso dizer, como o ensino é falho, quanto os governantes lutam para reduzir a nossa capacidade de compreensão para facilitar a sua manobra nas campanhas eleitorais. somente posso dizer que este ou outra obra de Divaldo Pereira Franco/Joana de Angelis, veem para tirar o véu da ignorância, e nos fazer refletir sobre o nosso cotidiano, sobre as nossas ações, e sobre como queremos o nosso futuro. Como ainda somos muito imperfeitos, erramos muito, temos muitas dores. Cada parágrafo de seus livros são retrorreflexivos, como somos seres individualizados cada um irá refletir de acordo com a sua realidade, experiencia. Não adianta ler o livro, tem que refletir.

      Excluir
  16. desculpem o termo retrorreflexivos no texto acima, considerem autorreflexivo.

    ResponderExcluir
  17. Emily de Oliveira Silvério14 de março de 2017 23:10

    Adorei o Livro Meus Parabéns ..

    ResponderExcluir