domingo, 5 de dezembro de 2010

Adolescência causa da (in) felicidade

Título: Adolescência causa da (in) felicidade

Autores: Francisco do Espírito Santo Neto, Ivan de Albuquerque (espírito)

Editora: Boa Nova

Categoria: orientação

Edição: primeira (agosto de 2010)

Proposta:
Este livro aborda vários aspectos da adolescência e procura levar aos interessados compreensão e orientação para esta fase da vida.

Formato:
Tamanho médio para uma leitura de aproximadamente 3 horas estando dividido em 25 pequenos capítulos. Cada um destes aborda um tema específico e inicia com um trecho de uma obra sobre educação escrita pelo ainda jovem Rivail e com uma questão do Livro dos Espíritos.

Suas páginas são de boa qualidade com tom meio amarelado e um cheiro gostoso, possui letras grandes e linhas bem espaçadas. Dentro dos capítulos os parágrafos mais interessantes são colocados em destaque.

Linguagem:
Linguagem muito clara e objetiva, num bom Português. Não fala diretamente ao leitor, mesmo porque a obra é dirigida a todos os interessados (pais, filhos, educadores, ...).

Avaliação:
Este livro tem várias qualidades, mas a primeira com a qual o leitor toma contato é a qualidade da edição. Começa pela capa de bom gosto, com cores agradáveis, e remetendo ao quebra-cabeças para se entender esta fase enigmática da vida, que é a adolescência. Depois passa pelas páginas amareladas e cheirosas, as letras grandes e fáceis de ler, as apresentações necessárias, e os capítulos bem divididos.

Os capítulos abordam temas muito pertinentes a adolescência e exploram bem cada um deles sem torná-los repetitivos. Assim, falam sobre a busca da identidade, a sexualidade, o divórcio dos pais, a escolha da profissão, a vida amorosa, a gravidez, o suicídio, entre outros.

Cada um dos temas é abordado de forma muito interessante pois se preocupa primeiro em oferecer uma compreensão dos fatos e depois em sugerir alguma orientação. E esta é baseada num conjunto de informações do qual a espiritual é uma das partes. Ou seja, apresenta os temas de forma equilibrada e completa, ainda que os textos sejam bem curtinhos.

Muito interessante também a apresentação antes de cada capítulo de trechos da obra de Rivail sobre educação demonstrando a principal preocupação de Kardec desde os tempos de sua juventude. E igualmente interessante é a apresentação de questões do Livro dos Espíritos para reflexão. Aliás, esta característica já vem de outros livros psicografados pelo mesmo autor.

Apesar do livro ter sido escrito para um público maior, inclusive os adolescentes, ele se revela mais apropriado para pais que querem compreender seus filhos. Os jovens são muito inteligentes para compreender a linguagem adotada pelos autores, mas talvez não se sintam "abraçados" por ela. É uma linguagem um pouco distante, em terceira pessoa. Mas, tomara que eu esteja errado nesta avaliação.

Discussão:
Seguem abaixo algumas passagens interessantes e ilustrativas:

Página 92 do capítulo O jovem e sua formação ética no mundo de hoje:
A nosso ver, é muito grave e perigoso essa indiferença dos adultos para com os jovens, não lhes dando uma orientação de vida ética; essa negligência é a razão de muitos distúrbios e dissensões nos ambientes universitário, político, religioso, etc.

Página 104 do capítulo Jovens médiuns:
A mediunidade não pode estar atrelada a um caráter "de bem supremo", vinculada a um grupo seleto de iluminados que estão em uma militância divina e que não se contaminam com as coisas mundanas, até porque a coletividade juvenil atual não pensa dessa forma no que toca à mediunidade.

Página 172 do capítulo Compromisso afetivo e felicidade:
O equilíbrio do relacionamento conjugal se estabelece quando um dos pratos da balança contém "a individualidade" e o outro, "a tolerância às dessemelhanças"; isso dará manutenção à unidade conjugal. A heterogeneidade soma, não divide.

Página 188 do capítulo Suicídios na adolescência:
Esses "acidentes fatais" representam, inúmeras vezes, suicídios indiretos, em que o indivíduo, incapaz de concretizar atos destrutivos conscientemente, os faz em níveis mais profundos da inconsciência. Podemos dizer que há um "desejo de morte" sem que exista uma intenção clara de morrer.

3 comentários:

  1. Gostei muito de sua análise. Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Emily de Oliveira Silvério14 de março de 2017 23:07

      Muito Obrigada ...

      Excluir
  2. Emily de Oliveira Silvério14 de março de 2017 23:03

    Estou Lendo o Livro e é muito bom , Super Recomendo Paras os Adolescentes ..<3

    ResponderExcluir